O sector de exploração petrolífera e do gás de Angola deverá beneficiar de um investimento superior a 71 mil milhões de dólares nos próximos cincos anos, garantiu o presidente do Conselho de Administração (PCA) da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), Paulino Jerónimo.

Falando em conferência de imprensa de balanço dos cinco anos de existência desta agência, o gestor afirmou que o investimento aumentou entre (2022 e 2023), passando de cerca de USD 5.6 mil para 12 mil dólares. Nos últimos cinco anos, o sector petrolífero recebeu um investimento na ordem dos 50 mil milhões de dólares, como resultado positivo da criação da ANPG, que na visão do PCA veio atenuar o declínio da produção que se verificava até 2017, período em que se perspectiva uma descida substancial na exploração diária, fruto de desaceleração de investimento das companhias no mercado nacional.

Paulino Jerónimo considerou de positivo o balanço, na medida em que a produção nacional foi mantida acima de um milhão e cem mil barris de petróleo por dia, feitas quatro licitações de novas concessões, bem como o quadro regulatório e a melhoria do ambiente de negócio contribuíram para a obtenção dos resultados.

Perspectivas O presidente do Conselho de Administração da ANPG, Paulino Jerónimo, assegurou que, quando sair o Decreto Presidencial de incremento à exploração petrolífera, o investimento perspectivado de 71 mil milhões de dólares deverá aumentar para mais do dobro e consequentemente ocorrerá a subida dos níveis de produção.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, abreviadamente designada por “Agência” ou “ANPG”, foi criada em 2019 por via do Decreto Presidencial n.º 49/19, de 6 de Fevereiro, em resultado do programa de reorganização do sector petrolífero em Angola.